Templos de Angkor e o reino khmer

No Camboja, o complexo arqueológico de Angkor, construído entre os séculos 9 a 15, revela tudo o que se espera de uma jornada exótica

Fechar

Benefícios Exclusivos UNQUIET: Camboja, Amansara & Belmond La Residence Angkor

Saiba mais

Consulte seu agente de viagens.

AMANSARA

  • Café da manhã tradicional na casa de uma vila Khmer.

Para compartilhar a herança cambojana em sua intimidade, o Amansara leva os leitores UNQUIET para desfrutar um café da manhã no campo, em uma casa instalada numa aldeia khmer, depois de visitar os templos de Angkor.

Obs: Válido para estadas de no mínimo 7 noites nos lodges Aman

Código de Reserva: UNQUIET SPECIAL OFFER
Validade: Viagens até 30 de setembro de 2022

aman.com/amansara


BELMOND LA RESIDENCE ANGKOR

  • Um coquetel de boas-vindas, criado especialmente para leitores UNQUIET, no Martini Bar do hotel.

Código de Reserva: UNQUIET SPECIAL OFFER
Validade: Viagens até dezembro de 2022

belmond.com/cambodia/siem-reap

O nascer e o pôr do sol são sublimes, transformando as torres pontiagudas e os contornos sinuosos e intrigantes de Angkor Wat, parte do conjunto arquitetônico dos templos de Angkor, em algo onírico, quase inacreditável. Mas é real e nasceu justamente pela vontade de um monarca, Suryavarman 2º, chamado rei-deus por sua incrível capacidade de irradiar templos e cidades pela região de Siem Reap, no Camboja, há mil anos. Se Angkor Wat é a suprema majestade, mais de 300 templos, edifícios e reservatórios de água também são oriundos da vontade de outros governantes cambojanos, no auge do reino khmer. O conjunto está na lista de Patrimônios Mundiais da Humanidade da Unesco.

A seguir, conheça seis templos do complexo de Angkor.

Templos de Angkor: Templo Ta Prohm tomado por figueiras
Templo Ta Prohm tomado por figueiras | Foto: Getty
Templos de Angkor: Templo Bayon refletido em um lago
Templo Bayon tem 216 imagens de Buda | Foto: Getty
Estatua dedicada ao deus hindu Vishnu | Foto: Getty

Angkor Wat

Localizado no norte do país, a 325 quilômetros da capital, Phnom Penh, Angkor Wat e os demais monumentos se espalham em sete cidades por cerca de 1.000 km2 da região, esquecidos durante séculos. Essas primeiras cidades do reino khmer começaram a ser construídas no século 9 da Era Cristã e eram dedicadas a divindades hindus e budistas. Angkor Wat foi erigido em honra a Vishnu e centenas de milhares de trabalhadores e cerca de 5 mil elefantes participaram de sua construção, começada em 1113 e que durou 37 anos. Hoje, algo que prende nossa atenção imediatamente ao chegar são as raízes e troncos de gigantescas árvores que circundam ou abraçam as magníficas e ousadas estruturas de pedra em meio à selva.

Templos de Angkor: monge diante de um buda no Templo Bayon
Monge no templo Bayon | Foto: Getty

Angkor Wat começou a ganhar vida na primeira metade do século 12 para homenagear Vishnu, que Suryavarman 2º acreditava ser o protetor de seu reino. Nascia a maior construção hindu do mundo, terminada justamente no ano da morte do rei, em 1150. Na galeria sul do templo, um baixo-relevo de quase 100 metros de comprimento presta homenagem a ele, ao final revelado numa estátua e adornado como um deus.

Nos trajetos, assim como na passarela de entrada de Angkor Wat, vemos muitas esculturas de nagas, serpentes de sete cabeças esculpidas no formato de leque. A lenda local diz que o povo khmer nasceu dessa raça de répteis e o número ímpar representaria o infinito e a imortalidade. Em Angkor, cada passo e cada minuto nos coloca diante desse mistério.

Cultivo de arroz nas cercanias de Angkor Foto: Getty
Templos de Angkor: templo Banteay durante o pôr do sol
Banteay Srei é conhecido como a Cidadela das Mulheres | Foto: Getty
Detalhe de uma das esculturas femininas de Banteay Srei, construído no século 10
Foto: Getty

Angkor Thom

Saindo de Angkor Wat, dê preferência em um tuk-tuk, os célebres triciclos cambojanos a motor, chega-se a Angkor Thom, ou a “grande cidade”, embora seja menor que Angkor. Ela foi construída a mando do rei Jayavarman 7º alguns anos após um saque da região pelos chams (vietnamitas) em 1177.

Ele decidiu que Angkor Thom teria de ser mais bonita que as outras cidades, transformou-a na residência real e dedicou-a ao Buda Avalokiteśvara, chamado de Bodhisattva da Grande Compaixão. Para os historiadores, foi mais imponente do que qualquer cidade da Europa na época.

Com um muro de 8 metros de altura, perímetro de 12 quilômetros e cercada por um fosso, Angkor Thom tem quatro grandes portais, tendo abrigado, além da realeza, os principais funcionários do reino. Bem na confluência de suas estradas internas está o templo principal, Bayon, outra fantástica construção com 54 colunas e 216 imagens de Buda. Repare que os algarismos somam nove – número sagrado do budismo. Sua característica principal são os enormes rostos esculpidos em pedra, com suaves sorrisos, que os guias locais gostam de dizer que seriam a personificação de Jayavarman 7º.

Templos de Angkor: monges a caminho do Angkor Wat
Monges caminhando para Angkor
Foto: Getty

Foto: Getty
Templos de Angkor: detalhes esculpidos no Preah Khan
Foto: Corinna Sagesser

Ta Prohm

Perto de Angkor Thom, o complexo monástico budista de Preah Khan, de 1191, também foi mandado construir por Jayavarman, em homenagem ao pai. Cinco quilômetros ao sul, o monarca mandou levantar o templo de Ta Prohm, em homenagem à mãe. Trata-se do mais enigmático e um dos mais visitados tesouros de Angkor.

A construção foi propositalmente deixada pelos arqueólogos intocada, para demonstrar a ação da natureza ao longo do tempo. O que se vê são as enormes árvores, principalmente figueiras e suas raízes aéreas, que penetram nas paredes e no topo do templo, até nos menores espaços.

Banteay Kdei

Próximo a Ta Prohm e também tomada pela vegetação, Banteay Kdei, ou “Cidadela das Câmaras”, era um templo budista e suas ruínas são um labirinto de quartos que abrigaram um monastério em vários períodos, desde sua construção no século 12 até a década de 1960. Banteay Kdei e Ta Prohm guardam uma semelhança: o salão decorado com baixos-relevos de dançarinas e um Buda sentado no corredor.

Pre Rup

Cerca de três quilômetros a leste, Pre Rup é outro templo cujas ruínas continuam a extasiar em Angkor. Construído no século 10 pelo rei Rajendravarman 2º, ostenta três torres semelhantes a pirâmides. Novamente ali os baixos-relevos ornamentados adornam as paredes e as torres; leões guardiões esculpidos estão nos terraços. Vale a pena subir até eles, a vista é magnífica. Cuidado, porém: as escadas são íngremes e estreitas.

Foto: Divulgação

Banteay Srei

Passando por campos de arroz ao norte, chegamos a Banteay Srei, outra joia da arte khmer, menor que as demais, mas capaz de proporcionar uma excelente perspectiva daquela civilização e suas crenças. Chamado de Templo das Mulheres, ele foi construído no século 10 também por Rajendravarman 2º, mais um dedicado ao deus hindu Shiva, e fica em uma ilhota quadrada, ao fim de uma pequena estrada. Suas inúmeras torres de calcáreo rosa se destacam com a floresta ao fundo. Por causa da cor e da presença decorativa de muitas divindades femininas, passou a ser conhecido como “cidadela das mulheres” ou “cidadela da beleza”.

Conforto vintage no translado do aeroporto ao hotel Amansara | Foto: Divulgação

Onde ficar em Siem Riep

Amansara

A antiga casa de hóspedes do rei Sihanouk mescla o chique minimalista da década de 1960 com o inconfundível serviço Aman. Jardins bem cuidados, um spa-delícia, a piscina curvilínea e as copas das árvores sombreando os deques compõem a tranquilidade tangível que inspirou o nome do hotel: “paz celestial”. O Amansara fica a apenas 10 minutos da entrada de Angkor Wat, o que dá aos hóspedes acesso privilegiado às riquezas espirituais e históricas do maior complexo de templos do mundo. Você poderá explorar o local a pé, de bicicleta ou fazer um cruzeiro entre as aldeias flutuantes do lago Tonlé Sap — ou ainda descobrir a rica cultura budista de Siem Reap diretamente com os monges que a moldaram.

A sustentabilidade do grupo Aman atua sobre quatro pilares – patrimônio e cultura locais, proteção do meio ambiente e responsabilidade social, conforme recomendação do Global Sustainable Tourism Council (GSTC). Durante a pandemia, o hotel vem entregando cestas básicas e produtos de higiene pessoal aos mais vulneráveis e aos monges de templos budistas.

Belmond La Résidence d’Angkor

O verde e a água dão o tom neste hotel da rede Belmond, bem no centro de Siem Reap. O lugar é recortado por uma grande piscina de água salgada, cercado por varandas que se abrem para jardins, lagos de lótus e muitas árvores à sua volta. Fica bem perto dos mercados de artesanato da cidade e do vibrante bairro de cafés e bares. Ao fim das caminhadas e visitas aos templos, o Kong Kea Spa é a dica para massagens tranquilizadoras e tratamentos especiais. A sustentabilidade se revela nos pequenos detalhes, como a seda dos lençóis, tecida à mão, e nos objetos decorativos, obra de artesãos locais.

Foto: Divulgação
Fechar

SUSTENTABILIDADE

Ações de conservação do meio ambiente e ações sociais

Saiba mais

AMANSARA

  • Plantio de árvores na floresta local, as margens do Rio, e de Siem Reap;
  • Gerenciamento de gastos: reuso, reciclagem e redução de produtos;
  • Compostagem;
  • Ingredientes de pequenos produtores e de fazendas “cage free”;
  • Conservação de água;
  • Energia eficiente: LED;
  • Eliminação do plástico de uso único;
  • Horta no jardim
  • Suporte financeiro e voluntário na manutenção do complexo dos templos;
  • Utilização de mão de obra local e de artesanato produzido nas cercanias do hotel;
  • Suporte a cozinha local, celebrando no restaurante pratos e ingredientes, promovendo aos visitantes a cultura a partir dos sabores;
  • Igualdade de gênero, respeitando a cultura local e a diversidade;
  • Suporte a orfanatos e a programas de proteção a crianças e mulheres;
  • Programa de alimentação saudável ao staff e plano de saúde a todos os funcionários e membros da comunidade local. 
    aman.com/resorts/amansara
Mapa: Antônio Tavares

Clique aqui para ler a matéria na integra na edição 4 da Revista UNQUIET

    UNQUIET Newsletter

    Voltar ao topo